15 estados impõem toque de recolher em meio a alta de mortes por Covid

Fundação Cultural

O horário da proibição de circulação de pessoas em espaços públicos não é o mesmo em todos os estados; o começo varia das 20h às 22h e o término, das 5h às 6h

 

No momento em que o país tem registrado recordes diários de mortes pela Covid-19, ao menos 15 dos 27 estados adotaram o toque de recolher noturno como medida para tentar conter o avanço da doença. O levantamento a que a CNN teve acesso foi feito pelo Fórum Nacional dos Governadores.

O documento intitulado “Quadro de medidas de prevenção e combate à Covid-19 adotadas pelos governos estaduais e distrital” reúne informações das 27 unidades da federação, elencando, por exemplo, as restrições impostas pelos governadores e respectivos períodos de vigência.

 

Segundo os dados reunidos pelo Fórum dos Governadores, o horário da proibição de circulação de pessoas em espaços públicos não é o mesmo em todos os estados, mas começa entre 20h e 22h e termina entre 5h e 6h.

O levantamento foi produzido depois de governadores debaterem, no último dia 7, a adoção de um “pacto nacional” com medidas restritivas e preventivas para ajudar a frear a Covid-19 pelo país.

Embora o plano conjunto ainda não tenha saído do papel, as informações reunidas pelo Fórum dos Governadores mostram que as 27 unidades da federação estão adotando ações mais duras para tentar conter o colapso no SUS (Sistema Único de Saúde) e a escalada de mortes por conta da Covid-19.

Nesta semana, parte dos 27 governadores assinou um documento intitulado “Pacto Nacional em Defesa da Vida e da Saúde”, a fim de reforçar “a luta contra a pandemia de coronavírus”. O texto pede a criação de um Comitê Gestor para o enfrentamento à doença, “mediante a participação dos Três Poderes da República e de todos os níveis da Federação, e a assessoria de comissão de especialistas”.

Na quinta-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar as medidas restritivas para conter a pandemia. Em pronunciamento feito durante evento realizado pela Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, ele disse que o lockdown é uma “irresponsabilidade”.

“Até quando podemos aguentar essa irresponsabilidade do lockdown?”, questionou. “Estamos hoje com novas medidas sendo anunciadas, nossa capacidade de endividamento está no limite.”

 

Gostou do conteúdo? compartilhe!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email